Sobre o autor

Conheça Thêmis

Tortura nunca mais! 

 

Libido interditada, cortada, 

libido vazada, sublimada... 

Amor e prazer desperdiçados, 

palavras e desejos derramados. Dias malvados! 

 

Amor distante 

e da infelicidade amante, 

razão obscura desta tristeza 

a que me condenam, sem defesa! 

 

No tempo e no espaço 

este amor se perde 

e se esvai no compasso 

da dor; mas seu lugar não há quem herde. 

 

Noites vazias, 

saudades nas poesias, 

tristeza nos meus dias. 

Ó, amor que já foi sonho, já foi pesadelo, 

 

mas ainda assim não quero perdê-lo. 

Já não é saudade, extração a frio do amor, 

o vácuo sentimental no ser amante, mas sim uma dor 

sentida, uma esperança doída que guardo e aguardo com zelo, 

 

eis que diferente do amor corrente e cujo destino nem sei é tê-lo. 

Eis-me aqui então, nessas quadras, e o que procuro, eu juro, 

se já não é você, é apenas fugir do escuro 

da dor de sua ausência e da qual, em que pese maduro, não me curo. 

 

 Olao (Bsb, Junho/03 – 1:48h)