Sobre o autor

Conheça Thêmis

Direito, enfim, é uma ciência manipulável para os interesses daqueles que o conhece, como também um instrumento de justiça. Sem as suas regras de convivência não seria possível uma humanidade organizada e mais justa 

 É a faculdade de Direito que sustenta o estado de direito e a democracia de qualquer sociedade!! Para o bacharel em Direito não é só recomendável a boa formação, é uma imposição sócio-política, humanamente indispensável. Com efeito, é de advogado que se constitui, exclusivamente, um dos Poderes do Estado, o Judiciário que é a última tábua de salvação para o injustiçado. Também é de advogados, exclusivamente, que forma-se um outro segmento estatal de suma relevância para o povo e para o indivíduo em geral: o Ministério Público, Promotores, Procuradores, o fiscal da lei: o fiscal do fiscal). A faculdade de Direito forma, ainda, boa parte dos Poderes Legislativo e Executivo, como membros ou como servidores que influem em políticas e legislações que a todos atingem. Assim, pois a deformação profissional, do advogado é a deformação oblíqua do Estado de Direito, que a todos garante e interessa. A baixa formação intelectual, tanto filosófico humanística quanto técnica, do bacharel em Direito e sobretudo, do advogado determina a baixa formação do Estado, do Direito, da democracia, da república, enfim da sociedade em geral. Podemos afirmar que a nossa cultura jurídica se formou em um cenário marcado pelo individualismo político e pelo formalismo legalista, o qual deu consequência a uma magistratura responsável por edificar os quadros político-burocráticos do país. O bacharel em direito precisa adquirir consciência de que o poder que estará em suas mãos, não é um poder arbitrário sobre as pessoas, mas sim um poder guiado pela lei, pelos bons costumes e pelos princípios gerais do direito; voltado para dirimir conflitos. Esse poder não deve existir atrás das classes dominantes, como forma de impor a vontade da minoria, na maioria desprotegida, mas deve existir para reprimir injustiças e limitar a atuação dos que têm poder, mas não aprenderam ainda como utilizá-lo. Aos bacharéis em Direito, cabe o discernimento para não o utilizar de forma inadequada, nem deixar que o poder jurídico seja dominado pelo poder político. Mas o poder não é algo ruim em si, os bacharéis não devem vê-lo assim, afinal a sociedade precisa ser guiada e sabe disso. O que faz o poder parecer ruim é a má utilização dele. É preciso que o bacharel, principalmente através de pesquisas e análises do passado, consiga discernir o que realmente deve ser feito e quando será necessária a intervenção do poder jurídico para dirimir conflitos. Assim, a ordem jurídica não é outra coisa senão o estabelecimento dessas restrições, a determinação desses limites, a cuja observância todos os indivíduos se acham indistintamente submetidos, para que se torne possível a coexistência social. Direito, enfim, é uma ciência manipulável para os interesses daqueles que o conhece, como também um instrumento de justiça. Sem as suas regras de convivência não seria possível uma humanidade organizada e mais justa