Sobre o autor

Conheça Thêmis


As comunidades, tal como os homens, carecem ser adotadas, bem tratadas, curadas em seus males, enfim amadas. Elas precisam de espaço e tempo, bem como de amor, de boa atenção para poderem crescer fortes e saudáveis. Talvez nem as pedras dispensem cuidados mais ou menos análogos! As comunidades mais carentes material e fraternalmente são corações e mentes facilmente tomadas, alugadas e pelo menor valor possível. Uma sociedade considerada politicamente organizada (Estado) que permite que suas comunidades se degradem ao extremo, como ocorre entre nós, já não merece ser reconhecida como organizada, menos ainda como Estado, senão ajuntamento social como as manadas e bandos. Essa desclassificação se acelera e se espalha pelo nosso Brasil cujo povo tão dócil quanto omisso, de governos tão variados quanto incompetentes ou vendidos. De fato, no Rio de Janeiro e São Paulo, cidades mais ricas e de população mais favorecidas do país é grave a degradação de suas comunidades carentes. Registre-se que as comunidades ricas também apresentam crimes até bem violentas, mais em níveis ainda aceitáveis.

Há décadas que muitas de nossas comunidades carentes estão abandonadas pelo resto da sociedade circundante, pelo Estado e são usadas pelos políticos populistas, pelos "contraventores-benfeitores" (que ocupam e exploram o vazio de um Estado ausente). Todas as formas de exploração tais comunidades são vitimas inconscientes ou conscientes de que não resta outra opção menos indigna. Isso tudo adoece a mente o coração até das pedras! Já nem precisávamos dos traficantes globalizados, do crime organizado (aliás, apenas mais organizado que a política e a polícia) para que essa triste e sinalizadora situação de degradação doesse em nossos olhos. Uma infecção mal curada ou não tratada é origem de mal maior e, às vezes, de cura quase inviável, sobretudo num Estado/sociedade que reflete o descaso com as dores dos mais frágeis. É uma doença moral, um mal sentimental, um atestado de desinteligência: pois a fome e a miséria só aconselham o mal. Com efeito, numa mansão ninguém pode dormir em paz se a vizinhança não dorme por causa da fome e do abandono de todos. Nossa sociedade tolera um Estado ausente que abandona nossos desfavorecidos, (mas que nos sobrecarrega com tributos, pardais e outras arapucas tributárias mais que duas famílias), nossa sociedade se omite diante do quadro de degradação humana e corrupção sob os olhos de todos, até porque convenientemente transfere a culpa disso para o Estado, mas nem sempre quer dividir sua agressiva opulência com os miseráveis, quiçá via caridade (às vezes mero investimento celestial: meio p/alcançar um lugar no céu! E a ética disso?). Junte-se a esse quadro já sombrio a fúria, a falta de compostura ética do próprio Estado-arrecadador que se esconde e esconde suas reais motivações e dolosamente sangra o povo-contribuinte, na mais gritante injustiça fiscal. Ora, se próprio Estado e seus homens públicos se valem de meios inconfessáveis, mentem, desviam o foco de suas ações, como o comum dos homens, como o mais carentes dos homens pode continuar bom e virtuoso. Nem no paraíso!

Agora que o ilegal, o irregular já são modas, que a ética e os princípios já parecem algo ultrapassado, que o crime e a violência, a informalidade no ganha-pão de muitos, os flanelinhas (paga ou algo de ruim pode ocorrer com seucarro), os cobradores da paz de aluguel, os agente duplo do Estado (não só policiais, mas fiscais, lideres e até altas autoridades); agora que tudo isso já é mais a exceção e sim a regra ou quase isso. Enfim, agora que o mal é crônico, a infecção é generalizada, todos gritam, todos querem proteções e rápidas, todos ou muitos sabem exigir pena de morte, agravamentos das penas, exércitos nas ruas, mais armas mais violência contra a violência (numa odiosa corrupção da inteligência). Alguns ou muitos grãos de areia não podem afundar um navio, mas algumas carradas sim!

Ora, quem há de ter autoridade para falar de punição exemplar, como bem se vê nem mesmo o Estado com os seus homens atuais. Há anos vimos repetindo: a violência não é só a mostrada na TV! Não, há a violência absurda e diária contra muitos que sequer aparecem na imprensa. Violência de todas as origens, inclusive do Estado e dos políticos, do povo omisso! Há, entre nós, uma cultura de violência e tolerância cujo subproduto, dentre outros, é o crime é um deles. Há muito tempo que esse fenômeno já não é mais caso de polícia, mas de política macro, de política social (onde se insere uma consistente política criminal, prevenção real do fenômeno e não guerra pela guerra, violência pela violência). É um desserviço, um outro mal sinalizador permitir-se que a instituição policial seja desprestigiada por falha de toda uma sociedade, de todo um Estado. Nem a melhor polícia do mundo, com todas as armas do exército mais poderoso da terra resolveria o mal que nos abate há menos décadas2.

O mal, agora, já exige tratamento amplo e multidisciplinar, ou seja, terapia tópica de vigoroso choque da força legitima do Estado, mas bem dirigidas e bem focada (para não gerar o efeito reverso, mais danoso ao Estado e à Polícia que aos bandidos3) ainda que de mero efeito circunstancial e, por outro lado, um tratamento propriamente dito, isto é, intervenções profiláticas duradouras, policiais e sobretudo não-policiais (o Estado deve se transferir pro tempore para as comunidades adotadas pela criminalidade). Sucede que não há tratamento de câncer tão alastrado e insidioso que não seja a longo prazo. Contudo, os analgésicos e placebos são bem vindos posto que, se não curam (por não atacarem a causa), acalmam os sintomas/efeitos e geram um ambiente francamente favorável ao tratamento de longo curso (escola, saúde, outras presenças do Estado nas 24 horas do dia e por anos).

Não precisamos de mais discussões (acompanho essas desde 1979), de mais "faz de conta" e slogans, de mais marketing político-eleitoral (programas ocos e dinheiro público mal gasto) como solução mágica de tão grave problema. Quando o Plano Nacional de Segurança Pública foi lançado no governo passado como salvação, ou quando a novidade dos marketeiros oficiais das forças-tarefas (muitos desvios de funções legais e pouca eficiência), ou o uso das Forças Armadas no combate aos crimes (fala-se de boca cheia "poder de polícia ao Exército!") nada além de mero analgésico: assim que retirado a dor volta porque o mal foi preservado). Diante destas não-soluções sempre nos opusemos, pois mais bravatas estatais que eficiência. O crime não se vence com canhões ou mísseis, senão apenas os criminosos - que, aliás, sempre serão substituídos por outros- mas com persistentes e sérias políticas sociais. A "política" de enfrentamento, a "guerra pela guerra" que hoje algumas mentes distorcidas, mas no comando, vêm de sustentar é a derrocada final do Estado de Direito e de uma polícia que já devia estar mais preparada na base e na cúpula (a cultura policial brasileira, de todas as polícias da federal às guardas municipais incompatíveis com o atual Estado brasileiro) e consciente de suas funções e fins. A "tropa invasora" esquece que o território invadido e a população civil não pertencem ao "país inimigo"... Basta de políticas econômicas que sacrifiquem tudo e todos, como se fossem um fim em si mesmo, eis que isso se é mal para os não-incluídos, também o é para os incluídos que agora gritam por socorro e apelam até para o Exército. O que não fizemos por dever humanitário, ou no mínimo, por conveniência social, forçados, agora, faremos por dever de sobrevivência! Basta de fugir das causas e ficar só nos efeitos, na superficialidade do fenômeno que é complexo. Toda e qualquer política ou ação do Estado não pode ser um fim em si mesmo. Não é sociedade que existe para o Estado, mas exatamente o inverso. A União precisa induzir, via condicionamento de verbas a projeto consistente e de médio e longo prazo, Estados-membros, municípios e organizações comunitárias (do tipo dos conselhos tutelares) a investirem pesado em políticas sociais de base (escola, saúde, justiça, segurança inseridas no interior das comunidades já afetadas ou ainda potenciais), em combate à corrupção, sobretudo nos serviços públicos, em nova (e mais compatível com nosso Estado democrático de direito) formação policial (menos bélica, mais jurídica e de inteligência). Aliás, quanto à formação policial temos aí uma deficiência tão clara e tão não-enxergada! Há policiais que ainda atuam (e se formam, hoje!) orientados pela Constituição de 19675 . A Academia Nacional de Polícia concebida para ser um centro de excelência na formação e pós-graduação polícia se perdeu. Cada polícia tem sua "academia"!E o Brasil não tem UMA policia! È esse o papel decisivo da União no tema. Temos de superar essa longa crise de princípios que tem nos marcados. Parece que ninguém sabe o que deve ser feito, o que é certo e o que é errado...

1 Repito sempre que ainda  temos algum tempo antes da força organizada e global dos crime dito organizado  transnacional

2 Registre-se que no Vietnã, na África do Sul, no Iraque de hoje, as forças armadas absolutamente mais poderosas e com toda a violência possível não lograram vencer a cultura da resistência pobre e frágil. Só uma base psicossocial sólida é vencedora nesses quadros. Aqui a força vence batalhas, mas não vence essa guerra!

3 Como a recente foto de dois sargentos PMs do Rio de Janeiro (graduados da Corporação!) carregando um corpo de bandido mas ainda humano num carrinho de obra. Foto que circulou o mundo como exemplo do despreparo de agentes do Estado (que mancharam a bandeira do RJ e a farda da PM). Atitude essa de absoluta insanidade profissional, ilegalidade e falta de bom comando a preservar a Corporação. Essa fato lastimável pôs o Brasil na galeria das fotos degradantes da civilização. A policia agente da civilização não pode se perder na sua razão de ser. Todo policial deve repetir todos os dias pela manhã o mantra de seu mister profissional: “dar segurança e civilizar”.

4 No Rio na década de 1960 havia o bandido Mineirinho, depois o Cara de Cavalo, já na década de 1970 houve o delegado Mariel Mariscot, umagente duplo (policia/crime), o super-bandido Lúcio Flavio Vilar dentre outros, tudo numa seqüência de criminosos de alta periculosidade para cada época e todos mortos em embates com a policia  e logo substituídos.

5 Certa vez fazia palestra para um auditório só de policiais e quando me referir ao fato de que, agora,  só juiz pode prender, ouvia uma reação desaprovadora: “Como? O policial agora não prende mais?? Foi difícil explicar, e creio impossível convencer.